segunda-feira, agosto 01, 2016

Ampulheta


Ampulheta



Jaime queria poemas

que durassem

eras longínquas.



Brielle fazia

cirurgias

na cara.



Michel pagava

o congelamento

da própria carne.



Darcia se estapeava

pela efemeridade

vazia.



Jean

só comia

sem agrotóxicos.



Mauro fotografava

Tudo

tanto.



Para Abdul,

é dádiva morrer

da vida.



Nenhum comentário:

Postar um comentário